Quatro PMs que participaram de greve em 2012 na Bahia são demitidos

Foto: Divulgação / 2012

Quatro policiais militares que participaram da greve da categoria em 2012 foram demitidos da corporação, segundo as informações divulgadas, nesta quarta-feira (14), pela Associação dos Policiais e Bombeiros Militares e seus Familiares do Estado da Bahia (Aspra), confirmadas pela corporação da PM.
A Aspra acusa que a PM ignorou o acordo com policiais militares firmado em 2014, que previa a anistia a todos os integrantes do movimento de 2012. Segundo a PM, as demissões ocorreram em 28 de setembro e na sexta-feira (9). Os atos foram divulgados no Boletim Geral Ostensivo (BGO), sistema de comunicação interna da corporação.
Por meio de nota, a Polícia Militar defendeu que as demissões publicadas não ferem o ajuste firmado em 2014, pois o acordo não abrangia os atos praticados com violência ou que faziam apologia à violência. Segundo a PM, os demitidos têm relação com os atos violentos praticados no período da greve. No entanto, a corporação não detalha como teriam sido as ações.
Segundo a PM, dos 36 policiais militares acusados de cometerem atos contra a administração da polícia do estado, quatro casos foram de maior gravidade e repercutiram de forma direta nos "preceitos da instituição".
O deputado estadual Marco Prisco (PSDB), líder do movimento e fundador da Aspra, negou que os quatro demitidos tenham relação com atos de violência. Entre eles, estão uma mulher e três homens, sendo que dois são diretores da Aspra - um de Salvador e um de Feira de Santana.
“Não teve ato [violento]. Inclusive um deles, uma refém, estava em casa, não participou da greve. Ela é acusada de passar uma mensagem para mim. A alegação é que teria deixado público a fragilidade da segurança do quartel e isso foi a público porque o próprio governo divulgou na imprensa. Outro é acusado de tomar uma viatura, mas nem no local ele estava. Outra pessoa também acusada de tomar viatura, mas ele recolheu a viatura. E o último também não cometeu ato algum. Simplesmente participou de uma reunião com o coronel, quando outros PMs entraram nessa saa e o coronel [em Ilhéus] pediu que eles saíssem. Ele não acatou a ordem do coronel”, afirmou Prisco.
G1*
Tecnologia do Blogger.