PMs acusados de quebrar braço de dirigente do PT durante prisão são afastados


A Polícia Militar de São Paulo afastou, nesta segunda-feira (4), pelo menos quatro policiais militares por causa da abordagem que resultou na quebra do braço esquerdo do advogado e dirigente do PT, Geovani Leonardo Doratiotto da Silva. Com a medida, os PMs ficam impedidos de realizar serviço de patrulhamento de rua até que as investigações sejam concluídas.
Doratioto diz ter sido agredido após uma confusão durante uma festa de carnaval, na noite de domingo (3). Segundo o dirigente do PT, ele teve o braço quebrado quando já estava na delegacia de Atibaia, ao resistir à prisão. O delegado que atendeu a ocorrência nega que policiais tenham causado a fratura e que houve motivação política, conforme informações do G1.

Tecnologia do Blogger.