Moro sobe em popularidade nas redes e se aproxima de Bolsonaro

Foto: Reprodução

Ao se demitir do Ministério da Justiça, o ex-juiz Sergio Moro disparou em popularidade nas redes sociais e se aproximou do desempenho obtido por Jair Bolsonaro, segundo um ranking da consultoria de dados Quaest que analisa o alcance digital de líderes políticos nacionais.

Com a saída de seu auxiliar, o presidente viu despencar seu índice no monitoramento. Bolsonaro é o primeiro colocado no levantamento desde que ele foi criado pela empresa, em janeiro de 2019.A repercussão da demissão também causou uma rara perda de seguidores pelo presidente, enquanto seu ex-ministro registrou ganho.

O chamado IPD (Índice de Popularidade Digital), com pontuação que varia de 0 a 100, é medido a partir de dados de Twitter, Facebook e Instagram, além de YouTube, Google e Wikipédia. A classificação era mensal e passou a ser diária em março deste ano.
Na sexta-feira (24), data em que anunciou sua saída, Moro alcançou 52,1 pontos (acima dos 30,7 que teve no dia anterior), enquanto Bolsonaro registrou 75,8 (abaixo dos 82,9 de quinta-feira). A diferença entre os índices de ambos na sexta foi de 23,7 pontos.
A tendência de alta do ex-ministro e de queda do presidente continuou no sábado (25), com uma aproximação ainda maior de ambos. Moro chegou a 55,3, enquanto Bolsonaro caiu para 70,3 –uma diferença de 15 pontos.
A consultoria também monitorou o desempenho de nomes como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o apresentador e pré-candidato à Presidência Luciano Huck (sem partido) e o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM), que ganhou protagonismo com a pandemia do coronavírus.
A demissão de Mandetta, no dia 16 deste mês, após uma série de desgastes com Bolsonaro, desencadeou uma situação parecida com a de Moro. O ex-titular da Saúde cresceu em popularidade e chegou a ficar apenas 10 pontos atrás do presidente.
Com a diminuição da presença de Mandetta do noticiário, seu índice começou a cair, processo que coincidiu com o crescimento de Moro, observado a partir de quinta-feira (23), depois que o jornal Folha de S.Paulo antecipou a informação de que o ex-juiz deixaria o ministério.Ao mesmo tempo em que sua linha no gráfico subia, a de Bolsonaro iniciou uma trajetória de queda.
"Moro estava em um viés de baixa e começou a subir no início da semana passada, chegando ao fim dela com seus indicadores mais altos na série histórica", diz Felipe Nunes, CEO da Quaest e professor de ciência política da UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais).
"Na média, ele [Moro] não tinha pontuação relevante em nenhuma dimensão, exceto na de mobilização, que compreende o total de compartilhamentos de conteúdos."
Além de mobilização, o IPD é calculado com base em aspectos como: interesse (buscas por informação no Google e na Wikipédia), presença digital (número de redes sociais ativas) e fama (público total nas redes).
As outras duas dimensões avaliadas, de um total de seis, são: engajamento (volume de reações e comentários ponderado pelo número de postagens nas redes) e valência (proporção de reações positivas e negativas).
De acordo com Nunes, Moro cresceu em engajamento, mobilização, fama e interesse. Os acessos ao verbete do ex-magistrado na Wikipédia são um exemplo. Foram 628 cliques na página na quarta-feira (22), 9.200 na quinta, quando a demissão foi noticiada, e 71.050 na sexta, data em que ela se confirmou.
O resultado negativo de Bolsonaro incluiu diminuição de seguidores, um fato inédito, segundo o coordenador do IPD, já que o presidente costumava ter um saldo positivo diário nesse quesito.
De quinta para sexta-feira, a redução foi mais visível no Instagram, de onde saíram 55.474 seguidores, e no Facebook, com uma perda de 13.873. Só no Twitter manteve a tradição, conquistando 19.646 novos seguidores.
O ex-juiz, por sua vez, avançou na quantidade em todas as redes –chegou a ganhar 195 mil seguidores no Instagram entre quinta e sexta.
A troca de acusações entre Moro e Bolsonaro, que começou nos pronunciamentos feitos por ambos na sexta-feira, tiveram desdobramentos em seus perfis nos últimos dias.O ex-ministro, por exemplo, usou suas páginas para contestar a afirmação do presidente de que ele usou a disputa em torno da manutenção de Maurício Valeixo na direção-geral da Polícia Federal para negociar uma vaga no STF (Supremo Tribunal Federal).
Bolsonaro também se valeu de seus perfis para lembrar que deu apoio a Moro no episódio do vazamento de mensagens da Operação Lava Jato. Via rede social, o ex-magistrado mandou resposta ao presidente, negando o que chamou de "suposta ingratidão" apontada pelo antigo chefe.
Para o CEO da consultoria Quaest, as oscilações dos dois personagens, que indicam uma pulverização da rede de apoio de ambos, sugerem que Bolsonaro terá um racha em sua base política.
"O eleitorado ideológico, também conhecido como 'core voter', não deve mudar seu comportamento em relação ao presidente. Mas o eleitorado pragmático, o que votou nele por causa do antipetismo, deve abandonar a base de apoio de Bolsonaro", diz o analista.
O movimento, contudo, não é definitivo, na opinião do professor. Pensando nas eleições de 2022, ele afirma que Bolsonaro tem chance de recuperar terreno. "Se ele conseguir fazer um governo de entregas, com poucas mortes na pandemia e com um plano de recuperação da economia, continua competitivo."
Moro, por outro lado, "tem o apoio da classe média das grandes cidades e pode se apresentar como uma terceira via anti-Bolsonaro e anti-Lula", calcula o cientista político.
Tecnologia do Blogger.