Mongólia isola região para evitar que peste negra se espalhe

Yersinia pestis, bactéria causadora da peste bubônica - Science/Divulgação

Autoridades de saúde da Mongólia confirmaram, nesta sexta-feira (3/7), dois casos de peste bubônica, doença que pode matar em cerca de 24 horas e dizimou milhares de pessoas durante a Idade Média, sendo conhecida também como peste negra. As informações são de vários veículos internacionais.

Segundo o jornal Daily Mail, a região de Khovd foi totalmente isolada e colocada em quarentena desde a quarta-feira passada, quando os dois casos ainda eram uma suspeita. As pessoas são proibidas de deixar a área, incluindo turistas.
Jornais locais afirmam que os pacientes são dois irmãos.

Aproximadamente 500 pessoas com algum tipo de relação com os dois pacientes foram identificados e serão testados para ver se também contraíram a Yersinia pestis, bacilo causador da peste bubônica, informa o The Sun.

Carne de marmota

As autoridades mongóis acreditam que a infecção se deve ao consumo de carne crua de marmota. Mesmo com as orientações que o consumo seja evitado, parte da população do país mantém esse hábito por acreditar que a ingestão de algumas partes do animal faz bem à saúde.

Foi a carne de marmota que gerou um episódio semelhante em 2019, levando ao fechamento da província de Bayan-Ulgii.
Tecnologia do Blogger.