Resultado de exame de Bolsonaro dá positivo para COVID-19

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O exame feito pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nessa segunda-feira constou positivo para coronavírus. O resultado saiu no começo da tarde desta terça. Bolsonaro passou pela detecção da COVID-19 após sentir sintomas da doença, como febre de 38,5ºC, conforme informou o canal CNN ontem. O presidente deu início ao tratamento utilizando hidroxicloroquina e azitromicina ainda ontem, tomando a segunda dose dos medicamentos nesta manhã, embora nenhum deles tenha eficácia comprovada no combate ao vírus.

De acordo com Bolsonaro, a febre caiu para 36,5ºC nesta terça. O presidente contou que os primeiros sintomas apareceram no último domingo, como mal-estar e cansaço. Já nessa segunda, os sinais da COVID-19 foram agravados com um aumento de temperatura, que chegou na casa dos 38,5ºC.

"Estou bem, estou normal, em comparação a ontem, estou muito bem. Estou até com vontade de fazer uma caminhada, mas, por recomendação médica, não farei", disse o presidente, que seguirá o protocolo de isolamento e fará reuniões por meio de vídeoconferência.

Além do exame para detecção da COVID-19, Bolsonaro fez uma ressonância magnética dos pulmões. Ambos os procedimentos foram feitos no Hospital das Forças Armadas. No retorno ao Palácio da Alvorada, o presidente conversou com apoiadores e disse que não havia nada nos pulmões e que a oxigenação do seu sangue dele estavam em 96%.

Familiares de Bolsonaro que vivem com ele no Alvorada, bem como funcionários que tiveram contato com o presidente, passarão por exames. Segundo o chefe do Executivo, a primeira-dama Michelle Bolsonaro fez o teste nesta manhã.

Vale lembrar que o chefe do Executivo faz parte do grupo de risco de pacientes com COVID-19, uma vez que ele tem 65 anos. Sua agenda para o restante da semana foi cancelada desde que os primeiros sintomas do coronavírus apareceram.

Distanciamento zero


Nos últimos dias, Bolsonaro, assim como na maior parte da pandemia, desrespeitou o isolamento social e não seguiu a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) para o uso de máscara. Na sexta, Bolsonaro almoçou com um grupo de empresários no Palácio da Alvorada, sem o uso do item de segurança, desrespeitando, também, o limite de 2 metros entre as pessoas. Entre os convidados estava o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf.

No dia seguinte, Bolsonaro e alguns ministros estiveram em um almoço na casa do embaixador dos Estados Unidos em Brasília, Todd Chapman, para celebrar o Dia da Independência Americana. Novamente, não houve respeito ao distanciamento social e ao uso da máscara.

Vetos


Ainda em relação às máscaras, Bolsonaro, nos últimos dias, publicou vários vetos no Diário Oficial da União desobrigando o uso do item em alguns lugares. 
Na última sexta, o presidente dispensou a utilização de máscaras em igrejas, comércio e escolas, alegando de que o projeto de lei poderia configurar "violação de município". 
Já nessa segunda, Bolsonaro abriu mão da exigência em presídios e unidades de cumprimento de medidas socioeducativas, desobrigando, também, órgãos, entidades e estabelecimentos de afixar cartazes sobre orientação do uso correto da máscara e o número máximo de pessoas permitidas dentro do estabelecimento.

Frases de Bolsonaro sobre a COVID-19


20/3
“Depois da facada, não vai ser uma gripezinha que vai me derrubar, não”

24/3
“Pelo meu histórico de atleta, caso fosse contaminado pelo vírus, não precisaria me preocupar. Nada sentiria ou teria. Quando muito, seria acometido por uma gripezinha ou um resfriadinho”

30/4
“ Eu, talvez, já tenha pegado esse vírus no passado, talvez, talvez, e nem senti”

2/6
"Eu já peguei 20 vezes este vírus, talvez, ou o vírus não quer papo comigo. É uma realidade. (...) Vai pegar, e a grande maioria nem vai saber que pegou. Talvez é o meu caso. Assintomático”

As informações são do G1
Tecnologia do Blogger.