Total de mortos em Petrópolis (RJ) sobe para 146; Há ainda 191 desaparecidos e quase mil desabrigados.

Foto: Fernando Frazão / Agência Brasil

 O número de mortos em Petrópolis, na Região Serrana do Rio, subiu para 146, segundo anunciou no início da tarde de hoje (19) a Defesa Civil. O Instituto Médico Legal (IML) do Rio de Janeiro identificou 91 corpos de vítimas da tragédia no município, também chamado de Cidade Imperial. 

De acordo com os últimos dados da prefeitura, 65 vítimas foram sepultadas no cemitério do centro. Esse número foi corrigido. Anteriormente o município tinha divulgado que eram 72. A explicação é que “na soma dos enterros de sexta-feira, dia 18, foram contabilizados sete sepultamentos que não foram de vítimas de soterramento”. No dia seguinte ao temporal, uma pessoa foi enterrada. Na quinta-feira foram 17 e ontem (18) houve 28 sepultamentos, número que também foi corrigido. Antes eram 35. Hoje, até as 11h30, foram realizados 19 enterros.

Segundo a Secretaria de Estado de Polícia Civil do Rio (Sepol), até as 10h de hoje (19) o IML tinha recebido 133 cadáveres e três despojos. Entre as vítimas, 82 são mulheres e 51 homens. O total de pessoas resgatadas com vida continua em 24.

No quinto dia de buscas de desaparecidos e de recuperação da cidade, a previsão do Centro Estadual de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais do Rio de Janeiro (Cemaden-RJ) para as próximas horas é de chuva moderada a forte na cidade. As equipes de monitoramento permanecem enviando alertas à população e acompanhando as condições do clima.

Petrópolis foi devastada por um temporal na terça-feira (15) e até este sábado sofre com a chuva que ainda torna o tempo instável e preocupante. O solo encharcado e o retorno da chuva durantes os dias representam riscos de novos deslizamentos.

Bombeiros
Desde terça-feira, o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro mantém os trabalhos de busca e resgate das vítimas durante 24 horas. Mais de 500 militares atuam nas ações distribuídas por todos os locais críticos.

Segundo os bombeiros, as três áreas principais são os setores Alfa, Bravo e Charlie, que abrangem regiões como o Morro da Oficina, a Rua Teresa, o Alto da Serra, a Chácara Flora, a Vila Felipe, Caxambu e localidades vizinhas. O Posto de Comando Central foi montado no 15º Grupamento de Petrópolis.

Apoio de cães farejadores
O Corpo de Bombeiros RJ informou que, por meio da Liga Nacional de Bombeiros (Ligabom), as operações contam com apoio de 79 militares e 36 cães farejadores de corporações de outros estados. São Paulo, Espírito Santo, Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins, Mato Grosso do Sul, Maranhão, Paraíba, Rio Grande do Norte, Sergipe, Alagoas, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná enviaram equipes a Petrópolis.

Os efeitos da chuva provocaram 675 chamados para a Defesa Civil, segundo dados até o início da noite de ontem. Até aquele momento, as equipes tinham feito atendimentos em 30 localidades. Do total, 546 eram relativos a deslizamentos e 98 avaliações de risco estrutural. A Assistência Social da cidade atendeu 967 pessoas que precisaram ser acolhidas nos 19 pontos de apoio instalados em escolas públicas da cidade.

Tecnologia do Blogger.