MEC no Governo Lula acaba com diretoria das escolas cívico-militares

 Ministro Camilo Santana está avaliando o que será feito do departamento.

Foto: Reprodução

governo Lula (PT) fechou a diretoria responsável pelas escolas cívico-militares, que fazia parte da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação. Segundo informações do jornal O Globo, o ministro Camilo Santana está avaliando o que será feito em relação ao departamento e ao programa do governo Bolsonaro (PL) que incentiva a implementação do modelo militar em escolas.

No novo governo, há a intenção de revogar o programa criado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL). Há ainda a possibilidade de a diretoria pode vir a ser remodelada ou englobada em outros setores do MEC, ou de o programa ser dividido com governos estaduais para que os custos financeiros não fiquem somente à cargo da União.

Camilo Santana afirma que está avaliando o caso e que ainda não decidiu o que será feito das escolas que já tiveram o método de ensino implementado. O fechamento dos colégios não está nos planos do atual governo.

– Até o dia 24 deste mês, temos o papel de avaliar a estrutura de cada secretaria do ministério para poder cumprir o melhor desempenho – assinalou o ministro.

O programa foi instituído por Bolsonaro no ano de 2019 e prevê um incentivo financeiro para as escolas que implementem o modelo cívico-militar. Tais unidades estudantis recebem apoio para aquisição de materiais, laboratórios, estrutura, capacitação profissional e uniformes.

A iniciativa levou ao aumento dos colégios militares, que saltaram de 120 em 2018 para 215 em 2022.
Tecnologia do Blogger.